Economia compartilhada: a arte de fazer mais, com menos

O ano de 2016 foi considerado um período extremamente difícil para muitas empresas. A crise política e econômica que afeta o país atualmente, fez muitas organizações reduzirem os custos, adaptarem novos métodos de trabalho e dedicarem mais atenção à gestão.

Todo este cenário turbulento, permitiu às empresas conhecer um novo formato de mercado que vem ganhando força no Brasil nos últimos anos, e traz consigo benefícios para tornar a gestão muito mais produtiva e rentável.

Sim, estamos falando da economia compartilhada.

Mas, o que é economia compartilhada?

Segundo Rachel Botsman, em uma citação trazida pelo site Consumo Colaborativo, a economia compartilhada é baseada em três possíveis tipos de sistema: mercados de redistribuição, compartilhamento de recursos e o sistema de produtos e serviços.

Basicamente, o termo pode ser facilmente traduzido para: fazer o mesmo ou mais, gastando menos. E esta ideia, tem enlouquecido o mercado gerando novos hábitos de consumo e exigências nunca antes esperadas pelas empresas.

Como funciona?

Tempos atrás, as pessoas adquiriam CDs musicais. As prateleiras, os carros, todos, eram cheios de discos. Atualmente, basta assinar um serviço de streaming musical, que milhares de músicas estarão disponíveis.

Este é um grande exemplo da economia do compartilhamento.

E como esta economia pode ajudar as empresas?

Hoje, é muito comum você encontrar empresas sediadas em espaços compartilhados, como coworkings e escritórios inteligentes, compartilhando praticamente todos os seus recursos essenciais.

Isso acontece porque este compartilhamento proporciona benefícios como ampliação do networking, a redução de custos e ampliação da produtividade, impactando nos resultados das empresas e produzindo cada vez mais o desejo por estar mais próximo desta nova realidade.

Um grande exemplo é a JG Empresarial – Escritórios Inteligentes. Localizada em Joinville, a empresa é referência no ramo de escritórios inteligentes e pode promover o encontro entre os benefícios da economia compartilhada e a sua empresa.

No passado, ao iniciar uma nova empresa, o empreendedor tinha como preocupação: o aluguel, a movelaria, os equipamentos, os serviços e muitos outros. Além, é claro, dos custos necessários para executar tudo isso. Porém, atualmente, este formato tradicional ficou no passado.

Adaptada à este novo mercado, a JG oferece benefícios como a cessão de endereço para registro fiscal e comercial, a locação de salas individuais nos mais variados tamanhos, além de uma estrutura profissional completa para uso coletivo, que conta com internet, atendimento telefônico personalizado, salas para atendimento e reuniões, entre outros.

Então, se você está iniciando o seu negócio, ou também está sentindo as transformações do mercado e os reflexos da crise, talvez seja momento de parar, analisar as possibilidades que o mercado oferece, e estudar novos métodos de trabalho para garantir produtividade, qualidade e resultados positivos.

Spread the love